Como vencer
o maior vício
do mundo
Os usuários de drogas perdem o controle sobre
suas vidas e causam sofrimento individual e alheio.

Você pode mudar esta situação.

Clique aqui e conheça nosso livro.


Como faço para baixar meu colesterol e triglicérides?

28/08/2017  |  Por Helio Matos

Muitas pessoas se queixam que tomam seus medicamentos, fazem dieta alimentar, praticam algum tipo atividade física, mas ainda assim não conseguem baixar o nível de colesterol para os valores normais. Quando um paciente é diagnosticado com o colesterol alterado, dependendo do tamanho da alteração, o médico poderá receitar medicamento, dieta alimentar e atividades físicas, isto, para normalizar o colesterol alterado, no entanto, se a alteração não for significativa ele prescreverá normalmente dieta alimentar e prática de atividades físicas.

O colesterol entupindo a veia

O colesterol entupindo a veia

Apesar de todos os esforços da ciência médica no que se refere à medicamentos mais potentes, ela reforça que sem a devida execução do controle alimentar, tanto em quantidade como em qualidade, nada irá mudar. Outrossim, essa é uma realidade incontestável, isto é, somente os medicamentos e atividades físicas, realmente não dão conta de solucionar o problema, portanto, a dieta ou “ajuste alimentar” faz o maior trabalho de combate ao colesterol alto.

Este artigo poderia ser classificado como uma dieta, mas como o termo dieta já se tornou um verdadeiro, “clichê”, este assunto da dieta efetiva e eficaz será tratado nesta matéria como um “ajuste alimentar” e outros procedimentos em conjunto para que surta efeito. Para começar, é necessário deixar claro que algo está errado com essa “dieta” ou a pessoa está negligenciando o tratamento. A hipercolesterolemia genética pode ser uma possibilidade diante deste insucesso no combate ao colesterol. Leia algo mais sobre o colesterol genético em outro artigo que trata da mudança da tabela do colesterol e triglicérides, isso, a partir de 2017 no Brasil, mas somente o profissional da saúde é que poderá determinar qual é o problema.

Tratando o colesterol basicamente comum à maioria

Partindo do pressuposto de que foi encontrado no exame de sangue, por exemplo, de um paciente, um colesterol “total” de 302 mg/dl, provavelmente outras frações numéricas podem estar igualmente alterados, como o HDL, e etc.

Quem decide sobre a chamada “dieta”, para abaixar o colesterol, geralmente é o médico clínico geral, ele prescreve a medicação que julgar necessária e ao mesmo tempo, repassa o “clichê dieta” ao paciente, e essas dietas são elaboradas normalmente pelos nutricionistas.

Como está sendo tratado neste artigo, quando as prescrições são seguidas da maneira correta e constante, os números do colesterol, assim como do triglicérides, certamente voltarão ao normal. No entanto, se a pessoa não dá continuidade aos fatores alimentares, exercícios físicos pelo menos três vezes por semana, e não procura manter o emagrecimento regulado, mesmo tomando os medicamentos prescritos eles não darão conta de solucionar o problema.

Como combater o excesso do colesterol comum rapidamente?

Como já foi citado anteriormente, alguma coisa está falhando no combate ao colesterol basicamente comum a todos, e esta falha geralmente ocorre por conta do próprio paciente, principalmente na alimentação. A grosso modo, muita gente, para não dizer praticamente todas as pessoas envolvidas neste problema, pensam saber tudo, e diante das próprias falhas inconscientes, começam a descartar as chamadas dietas gerais para o caso, piorando ainda mais a própria saúde.

Pegando como referência o colesterol de 302 mg/dl, citado acima, como abaixá-lo em 80 mg/dl em apenas sessenta dias, usando a estatina corretamente e verdadeiramente fazendo o que se deve no caso, principalmente da alimentação? Como fazer o “ajuste alimentar” durante estes 60 dias e comprovar por exame essa grande baixa do colesterol durante este período? Tudo pode parecer repetitivo, mas não é. A grande maioria das pessoas com o colesterol desregulado, não estão se alimentando de maneira correta, e pior, mesmo sob o jugo da dieta, medicação e atividade física, estão comendo de tudo e de qualquer maneira.

Para que comprovem para si mesmos a eficácia do “ajuste alimentar” de sessenta dias, é necessário seguir à risca o que nunca realmente foi feito com todo empenho, somente assim os esforços surtirão os resultados esperados. Na realidade, este “ajuste alimentar”, não é um esforço, é muito simples de fazer, as pessoas não precisam passar fome, ganham mais disposição física, asseguram uma boa saúde e derrubam um grande perigo silencioso: o colesterol alto.

Pedaço de colesterol solto no sangue

Pedaço de colesterol solto no sangue

Independentemente do que estão fazendo para o combate ao colesterol alto, agora, por sessenta dias, quem realmente deseja obter resultados positivos deverá ser assim:

1. Fugir das carnes gordas, em particular das carnes vermelhas.

2. Evitar todos os tipos de frituras.

3. Evitar todo alimento a base de massas.

4. Evitar ao máximo a ingestão de açúcar, ele se transforma em gordura no organismo.

5. Se fumante, parar de fumar.

6. Se for usuário de qualquer bebida alcoólica, parar de beber.

7. Suspender as guloseimas, sem meios termos.

Abaixe 80 mg/dl de colesterol em sessenta dias

Desde o primeiro dia até ao final de sessenta dias, comprove os resultados fazendo exames dos números do colesterol antes de começar o “ajuste”, e no final do cumprimento do “ajuste”, se for feito conforme a indicação abaixo, você se surpreenderá com os resultados. Quanto aos alimentos, eles existem em grandes variedades para a manutenção, não somente durante dois meses, mas fazer deste procedimento um estilo de vida diário.

A qui estão algumas sugestões, saem mais baratos do que a velha e conhecida alimentação tida como normal para todos. Antes das recomendações um alerta: O excesso de colesterol e triglicérides causa variadíssimas doenças, como por exemplo, diabetes, doenças cardíacas, doenças auditivas, esteatose alimentar, (acúmulo de gordura no fígado), cirrose hepatológica, derrame cerebral (AVC), isquemia cerebral, impotência sexual, mais desenvolvida no sexo masculino, entupimento de veias, artérias, vasos e microvasos sanguíneos, pressão alta, (hipertensão arterial), esclerose do sistema circulatório sanguíneo e etc. Diante do que está exposto como alerta, não precisa de muita inteligência para perceber o grande perigo do colesterol alto que não é tratado.

No caso das carnes, dar preferência aos peixes, frango e peru, sempre lembrando de evitar a fritura deles, devendo ser feitos no micro-ondas, cozidos ou grelhados. Bolachas integrais, pão integral, legumes e verduras, preferencialmente cruas, menos os legumes que precisam ser refogados, mas sem amolecer muito, e evitar os temperos industrializados, dando preferência aos temperos caseiros. O consumo da carne vermelha deve ser reduzido drasticamente, mas quando consumir, procurar pela carne mais magra possível, ainda assim, a fritura dela deve ser descartada.

Ajuste alimentar diário contra o colesterol

No café da manhã: a pessoa pode optar por pão integral, bolachas integrais, aveia, leite desnatado, café puro, se preferir, frutas e sucos, mas sem a introdução de açúcar. As margarinas devem ser evitadas, optando-se por outro ingrediente com gordura boa, o abacate, por exemplo, ótimo em gordura boa, pode ser adoçado com adoçante artificial.

Entre o café da manhã e o almoço há um intervalo muito grande, sendo assim, a pessoa deve ingerir algum alimento integral neste intervalo, normalmente em torno de 150g é o suficiente.

No almoço, a quantidade de um prato normal de arroz deve ser divido em quatro partes e descartadas as outras três partes; o complemento deste arroz precisa ser a base de verduras, legumes, frango sem pele ou peixe grelhados, cozidos ou feitos no micro-ondas. Pode-se acrescentar neste prato, ovo cozido, por exemplo, o feijão pode ser comido normalmente. No caso do almoço, a própria pessoa poderá decidir o que comer, mas sem sair dos alimentos indicados. Outro fator importante é mastigar bem o alimento antes de engolir.

Após o almoço a pessoa vai se deparar novamente com outro intervalo muito grande até a hora do jantar. Diante deste intervalo, quando a pessoa estiver exatamente no meio dele, isto é, antes do jantar, ela deverá procurar quebrar este jejum, comendo algo juntamente com leite desnatado, café, suco natural ou algo de sua preferência, nunca fugindo dos alimentos indicados que não são somente os alimentos citados neste “ajuste” de combate ao colesterol alto. A quantidade de alimento nessa quebra no jejum da tarde também deverá ficar em torno de 150g.

Hora do jantar, assim como foi feito no almoço, deve-se comer apenas um quarto de arroz num prato tido como normal, sendo complementado ricamente com verduras e legumes variados, podendo-se abusar sem medo destes vegetais. A pessoa pode acrescentar peixe, frango sem a pele, feijão e etc.

Logo após o jantar a pessoa deverá tomar o medicamento, se estiver prescrito, em seguida, se passar muito tempo depois da janta ele perderá muito de seu efeito no combate ao colesterol, portanto, essa deve ser uma regra para ser seguida à risca, do contrário, o “ajuste para combater o colesterol alto”, não será devidamente eficaz.

Há pessoas que costumam comer alguma coisa um pouco antes de ir dormir, não há problema, contanto que não saiam dos alimentos indicados. Quando se perde gordura ruim como o colesterol, essa gordura deve ser substituída por gordura boa, e as castanhas e amendoins são bons aliados para essa substituição, como o amendoim não é um grão de preço elevado, qualquer pessoa poderá fazer uso diário deste grão, basta comer em torno de 100g diárias, lembrando que deve ser bem mastigado e comido na forma natural e crú, sem a introdução de qualquer produto alheio a ele mesmo. No entanto, quem puder acrescentar outras sementes, como as castanhas, por exemplo, será melhor ainda, com a liberdade de revezar estes grãos no dia a dia. Faça seu “ajuste de combate ao colesterol alto” e comprove você mesmo, você vai se surpreender positivamente.

Este foi apenas o primeiro dia, daí em diante basta completar os sessenta dias sem as chamadas “beliscadas”. Se este “ajuste” não for seguido como está indicado, provavelmente a decepção estará esperando logo adiante, mas se tudo foi feito corretamente o sucesso será o resultado aguardado. No entanto, se o resultado for desanimador ou animador, não deixe de relatar ao médico. Ainda tendo como referência o colesterol de 302 mg/dl, ao final do bimestre indicado e baixados em torno de 80 mg/dl, este colesterol ainda não chegou no número máximo corrigido para 190 mg/dl, atingindo depois desse primeiro período em média 222 mg/dl.

Segundo a tabela atual, o colesterol total está fixado no máximo de 190 mg/dl. Portanto, a dieta, (ajuste alimentar) precisa continuar até que atinja o número ideal de segurança para a saúde. Dai em diante, o novo estilo de vida precisa continuar, se é que se deseja manter o nível normal do colesterol total e frações, inclusive, o triglicérides.