Como vencer
o maior vício
do mundo
Os usuários de drogas perdem o controle sobre
suas vidas e causam sofrimento individual e alheio.

Você pode mudar esta situação.

Clique aqui e conheça nosso livro.


As perdas de neurônios são insubstituíveis?

21/04/2018  |  Por Helio Matos

Segundo pesquisas científicas realizadas até 1.990, a constatação sempre foi de que a quantidade normal de neurônios de um ser humano quando sofre perdas, seja pela idade, uso de drogas ou outros fatores desencadeantes, era simplesmente de que não mais voltariam aos números normais. Diga-se de passagem, que, a ciência nunca esteve errada, mas apenas não evoluída o suficiente para avaliar com mais profundidade como fica essa diminuição de neurônios. Portanto, segundo o que se conseguiu constatar até 1.990 era que neurônios perdidos nunca mais seriam repostos devido a quantidade ser fixa.

A produção de neurônios

Entretanto, as pesquisas mais recentes sobre a produção de neurônios têm comprovado uma premissa contrária à tudo de que se tinha conhecimento até 1996. Sendo assim , as pesquisas mais recentes indicam que a neurogênese, responsável pela produção de neurônios, apesar das perdas, nunca para com a produção dessas células nervosas. Ao estudar mais profundamente a questão da neurogênese, os pesquisadores conseguiram comprovar que alguns neurônios, independentemente da idade, continuam sendo produzidos por toda a vida. A produção dos neurônios se dá na área denominada como zona sub-ventricular.

Neurogênese é a produção de novos neurônios

Neurogênese é a produção de novos neurônios

Segundo os pesquisadores, a partir dessa nova produção, os novos neurônios iniciam a migração rumo ao bulbo olfativo, parte do (SNC) Sistema Nervoso Central, que detecta com detalhes todos os tipos de cheiros possíveis. Na segunda parte estes novos neurônios se concentram no hipocampo, parte do cérebro que desempenha um papel muito importante nos processos de memória,  aprendizado e raciocínio.

A ciência ainda não tem uma conclusão final sobre a produção natural de neurônios durante toda a vida

A comunidade científica da área, através dos pesquisadores, apesar dos significativos avanços atuais, ainda não conseguiram resultados certos e seguros sobre essa nova descoberta. Os cientistas não sabem dizer ao certo como isso funciona à nível de ganho para as pessoas em geral. Entretanto, a descoberta da produção de neurônios durante toda a vida, ao contrário do que se sabia, abre novos caminhos promissores para as análises das células tronco-neurais produzidas pela neurogênese. No entanto, as pesquisas continuam sendo feitas com o objetivo de se conseguir resultados definidos sobre a neurogênese.

O que os pesquisadores esperam nessas pesquisas?

No caso das pesquisas sobre a comprovação da produção contínua dos neurônios, os cientistas esperam poder controlar a produção dos neurônios de acordo com as necessidades das pessoas em geral. Esta seria uma ótima forma para correção da extinção de neurônios, não somente devido a idade das pessoas, mas também quando por algum trauma cerebral, por exemplo, tanto por doenças degenerativas dos neurônios como acidentes em qualquer faixa etária da vida, essa possível incrementação da produção de neurônios seria a solução ideal para a restauração da saúde mental das pessoas afetadas por essas perdas.

Além dessas possibilidades já bem viáveis pelos pesquisadores da área cerebral, eles pensam somar este avanço da medicina em conjunto com a reprodução de células troncos para todos os órgãos do corpo humano. Apesar da resistência de uma ala da sociedade contra o desenvolvimento das células troncos para todo o corpo humano, a comunidade científica espera, com a modernização constante em todos os setores da vida humana, convencer essa ala retrógrada de suas ideias nada construtivas. Segundo a ciência médica, os estudos atuais já possuem técnicas para que o ser humano consiga viver tranquilamente pelo menos 120 anos.